Navegação

O médico Carlos Alberto Gebrin Preto, o “Beto Preto”, é prefeito da cidade de Apucarana, norte do Paraná, Brasil, gestão 2013-2016. É casado com Adriana e pai dos gêmeos Cecília e Pedro. Beto é neto de pioneiros de Apucarana. Seus avós chegaram na cidade em 1949.

Formação

Beto é médico formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), com especialidade em Medicina Nuclear pelo Instituto Rio Preto de Medicina Nuclear. Também é pós-graduado em Medicina do Trabalho pela Universidade São Camilo; em Medicina de Trânsito pela Universidade de São Paulo (USP); e em Medicina Legal e Perícias Médicas pela Santa Casa de São Paulo.

Experiências Profissionais

Em 1998 foi um dos fundadores da Delegacia do Conselho Regional de Medicina de Apucarana e Vale do Ivaí, atuando como Delegado Secretário por 10 anos.

Entre 1998 e 2000, foi secretário municipal de Saúde de Apucarana e, quando esteve no cargo, Apucarana foi o primeiro município do Brasil com mais 100 mil habitantes a ter 70% de sua população sendo atendida pelo Programa de Saúde da Família. Neste mesmo período, foram colocados em prática vários programas que contribuíram para melhorar o atendimento aos usuários do SUS. Neste período, Apucarana virou referência em cobertura vacinal no Paraná. E, com um rigoroso controle na gestão dos recursos federais, ele conseguiu viabilizar a construção dos superpostos de saúde na Vila Nova, Ponta Grossa e Dom Romeu Alberti.

Foi presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde do Paraná (Cosems) de 2000 a 2002; vice-presidente do Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (Conasems) de 2001 a 2002; e membro do Conselho Nacional de Saúde, de 2001 a 2002, ao lado de figuras importantes da saúde pública nacional, como Zilda Arns, Nelson Rodrigues dos Santos e Sérgio Arouca.

Trabalhou como secretário municipal de Saúde na cidade vizinha de Califórnia, de 2001 a 2002. E atuou como médico plantonista em diversos hospitais, entre eles o da Providência, Santa Helena e Nossa Senhora Aparecida (todos em Apucarana) e na Santa Casa de Arapongas.

Foi Diretor Geral da Ouvidoria Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), no Ministério da Saúde, em Brasília, dirigindo uma equipe de seiscentos servidores, durante o Governo Lula.

Atuou como diretor do Hospital Evangélico de Londrina de 2005 a 2006.

Também trabalhou como coordenador médico do trabalho do SESI na unidade de Apucarana; e ainda como perito médico previdenciário do INSS, na agência de Apucarana. Também ocupa o cargo de vice-presidente do Sindicato dos Médicos do Paraná.

Cargo Eletivo

Disputou a prefeitura de Apucarana por duas ocasiões anteriores a esta: em 2004 obteve 18,40% dos votos, ficando na segunda colocação e, em 2008, somou 38,50% dos votos, terminando a disputa também em segundo lugar.

Em 2012, venceu a disputa e tornou-se prefeito de Apucarana com 31.647 votos ou 44,71% do eleitorado.

Frente Nacional de Prefeitos

Tornou-se, também, em 2015, vice-presidente pelo Estado do Paraná da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

Beto outra vez

Em 2016, disputou a reeleição a prefeito na cidade de Apucarana e foi o mais votado da história, com 60.001 votos (86,11% dos votos válidos).